27 de março

“Nas questões nacionais, o primeiro problema que me tenho proposto é o seguinte: Para onde se deve olhar? Que é que importa? (…)

O desafio que vos trago é do António Sérgio, um extraordinário exercício de reflexão…ouve-se o governo e está tudo bem! Ouve-se quem apoia o governo e estamos bem, mas podíamos estar melhor!…ouve-se a oposição e está tudo mal!

Que é que importa?

A agenda mediática ou as causas? As batalhas ou as guerras? a informação ou desinformação? A liberdade ou o condicionamento?

Houve mais de cem municípios, em Portugal, que aderiram à Hora do Planeta…o que importa? o brilharete do momento ou serem consequentes com essa hora?

Houve mais terrorismo em Londres…o que importa? Reagir ou encontrar soluções para as causas?

Trump foi derrotado no Obamacare…o que importa? Os milhões de americanos quem mantém o mínimo de protecção social ou a ameaça que vai voltar à carga?

O que importa? A agenda do dia…ou a liberdade de expressão como valor integrador, tolerante e gerador de convergência…o que importa?

A todos e a cada um de nós importa sempre qualquer coisa e coisas diferentes. Vemos, ouvimos e sentimos as  mesmas coisas de forma diferente…o que não faz de nós nem melhores nem piores, faz de nós..nós, e se nos concedemos esse direito, porque não concede-lo aos outros, serem eles, nós e eles…é assim que o mundo se constrói, connosco e com eles, como quem constrói um ponte que se inicia nas duas margens ao mesmo tempo.

O que importa? Sermos todos… nós próprios!