Aldeias de A a Z – (V)

Aldeias de A a Z – (V)

Com o Presidente Hélder Esménio estamos em  Salvaterra de Magos, Capital Nacional da Falcoaria um dos melhores sítios para contemplar a Lezíria até à Chanerca, o Tejo (Escaroupim, Praia Doce, Bico da Goiva) e de enviar um Barrete a gosto, uma tradição que nos liga à rádio e a Lisboa.

(para ouvir: aqui)

#VisitRibatejo #SalvaterradeMagosCapitalNacionaldaFalcoaria #CantSkipPortugal

IMG_8686

img_9786

Anúncios

Viagens na minha terra

“Nunca dormi tão regalado sono em minha vida. Acordei no outro dia ao repicar incessante e apressurado dos sinos da Alcáçova. Saltei da cama, fui à janela, e dei com o mais belo, o mais grandioso, e, ao mesmo tempo, mais ameno quadro em que ainda pus os meus olhos.

No fundo de um largo vale aprazível e sereno, está o sossegado leito do Tejo, cuja areia ruiva e resplandecente apenas se cobre de água junto às margens, donde se debruçam verdes e frescos ainda os salgueiros que as ornam e defendem. Dalém do rio, com os pés no pingue nateiro daquelas terras aluviais, os ricos olivedos de Alpiarça e Almeirim; depois a vila de D. Manuel e a sua charneca e as suas vinhas. Daquém a imensa planície dita do Rossio, semeada de casas, de aldeias, de hortas, de grupos de árvores silvestres, de pomares. Mais para a raiz do monte em cujo cimo estou, o pitoresco bairro da Ribeira com as suas casas e as suas igrejas, tão graciosas vistas daqui, a sua cruz de Santa Iria e as memórias romanescas do seu alfageme.

Com os olhos vagando por este quadro imenso e formosíssimo, a imaginação tomava-me asas e fugia pelo vago infinito das regiões ideais. Recordações de todos os tempos, pensamentos de todo o género me afluíam ao espírito, e me tinham como num sonho em que as imagens mais discordantes e disparatadas se sucedem umas às outras.

”in Garrett, Almeida; Viagens na Minha Terra, Cap. XXVIII.

48415759_2101567993238238_8442643481767182336_n
(a foto do Luis Prates, igualmente espectacular, é de outra perspectiva da Lezíria)

Carta Gastronómica da Lezíria do Tejo (XIII)

Caldinho para meninos

(receita de Maria José Cardoso Rocha, 63 anos – Golegã)

Ingredientes: Água, azeite couve, feijão, pão, grãos de sal. 

Modo de fazer: Coze-se o feijão. Migam-se as couves miudinhas. Quando o feijão está cozido adicionam-se as couves regadas com uma pinga de azeite. Fica a apurar. Numa tigela põe-se bocadinhos de pão, vaza-se o cadinho por cima e serve-se.

#GastronomiadaLeziriadoTejo #visitribatejo #festivaldesopassalvaterra

IMG_8769

Glossário

Arrátel: antiga unidade de medida de peso, equivalente a 16 onças ou 459g.

Selo Protetor – Concelho de Salvaterra de Magos

IMG_8314

Aquele testemunho que é tão fácil de escrever, como de bloquear e não conseguir…

O ano começou com a emoção de assistir à apresentação deste projecto, 30 e 31 de Janeiro – Fórum GovInt no São Jorge em Lisboa, o ano termina com a alegria de levarmos três Selos Protetores para o Concelho de Salvaterra de Magos. Pelo meio um Fevereiro e Março de intenso, denso, dedicado e empenhado trabalho de todos os parceiros.

Hoje, o primeiro dia do resto da vida deste projecto tenho de reconhecer e agradecer a todas e todos, da Escola Profissional, a Vera Vidigal, a Silvia Fernandes e o Duarte Bernardo, do Agrupamento de Escola de Salvaterra de Magos, a Maria Castela Lopes, a Cristina Larginho e a Isabel Neves, do Agrupamento de Escolas de Marinhais a Isidora Saramago, a Maria Leonor Félix, a Celia Mercê e a Ana Arrais, da GNR o Manuel Gonçalves, o Fernando Simões, o José Pereira e o Nobre, da CPCJ a Ana Azinhaga, a Cilia Cristóvão, o João Correia, a Anabela Damásio, o Paulo Nuno Santa Bárbara, a Silvia Marcelino, a Margarida Vieira, o Pedro Machado, a Inês Duarte Gonçalves e a Ortélia Lobo.

Cada uma e cada um destes seres humanos foram fantásticos na paciência para me ouvir, assertivos nos contributos e incansáveis no trabalho de elaboração das candidaturas, para as quais tivemos o mês de Março para as fazer.

“Ambientes protetores não acontecem simplesmente, exigem planeamento, compromisso, acompanhamento e colaboração.”

Planeamos e assumimos o compromisso, mas nada disto teria sido possível sem o acompanhamento da Rosário Farmhouse e da Joana Garcia Fonseca, sem esquecer a Nélia Alexandre e a Fátima Silva, a atenção com que nos ouviam e esclareceram foi fantástica e por último mas não menos importante, na medida em que foi fundamental, a colaboração da Teresa Louro…foi ela que de Sintra se deslocou a Salvaterra de Magos e espantou os medos, as dúvidas e firmou a certeza que seríamos capazes, com todos os parceiros, desbloqueou o processo e fez-nos avançar, fez-nos sonhar…e como sabemos, quando se sonham o mundo pula e avança!

Foi provavelmente o projecto que mais satisfação me deu concretizar, juntar, arriscar, coordenar, delegar, colaborar, partilhar!

Obrigado a todos e a todas que concretizaram este desígnio de tornar o nosso território as nossas escolas mais protetoras dos riscos e perigos que, infelizmente, vão vivendo, e mais promotoras dos direitos das crianças e jovens.

Há no país 34 Selos Protetores, 3 são na nossa terra, salvo o erro, os únicos do Distrito de Santarém, uma responsabilidade temos de assumir: liderar pelo exemplo, praticar e divulgar as boa práticas, empurrar e puxar os outros para, também, assumirem este compromisso, o tal que foi tão bem definido pelos africanos…”para educar uma criança é preciso toda a aldeia” e que tão bem a Rosário Farmhouse hoje complementou com um…”para proteger uma criança é preciso toda a aldeia!

(este projecto é um processo de construção, nunca está completo e nem os protagonistas se eternizam nele, a quem entra agora…força, bom trabalho e sucesso)

IMG_8320