De onde és tu?

Para quem não percebe do que se fala quando falamos em identidade, cultura e tradição…adivinhem lá de onde é este homem, qual será a sua nacionalidade?

IMG_9276

 

Anúncios

Selo Protetor – Concelho de Salvaterra de Magos

IMG_8314

Aquele testemunho que é tão fácil de escrever, como de bloquear e não conseguir…

O ano começou com a emoção de assistir à apresentação deste projecto, 30 e 31 de Janeiro – Fórum GovInt no São Jorge em Lisboa, o ano termina com a alegria de levarmos três Selos Protetores para o Concelho de Salvaterra de Magos. Pelo meio um Fevereiro e Março de intenso, denso, dedicado e empenhado trabalho de todos os parceiros.

Hoje, o primeiro dia do resto da vida deste projecto tenho de reconhecer e agradecer a todas e todos, da Escola Profissional, a Vera Vidigal, a Silvia Fernandes e o Duarte Bernardo, do Agrupamento de Escola de Salvaterra de Magos, a Maria Castela Lopes, a Cristina Larginho e a Isabel Neves, do Agrupamento de Escolas de Marinhais a Isidora Saramago, a Maria Leonor Félix, a Celia Mercê e a Ana Arrais, da GNR o Manuel Gonçalves, o Fernando Simões, o José Pereira e o Nobre, da CPCJ a Ana Azinhaga, a Cilia Cristóvão, o João Correia, a Anabela Damásio, o Paulo Nuno Santa Bárbara, a Silvia Marcelino, a Margarida Vieira, o Pedro Machado, a Inês Duarte Gonçalves e a Ortélia Lobo.

Cada uma e cada um destes seres humanos foram fantásticos na paciência para me ouvir, assertivos nos contributos e incansáveis no trabalho de elaboração das candidaturas, para as quais tivemos o mês de Março para as fazer.

“Ambientes protetores não acontecem simplesmente, exigem planeamento, compromisso, acompanhamento e colaboração.”

Planeamos e assumimos o compromisso, mas nada disto teria sido possível sem o acompanhamento da Rosário Farmhouse e da Joana Garcia Fonseca, sem esquecer a Nélia Alexandre e a Fátima Silva, a atenção com que nos ouviam e esclareceram foi fantástica e por último mas não menos importante, na medida em que foi fundamental, a colaboração da Teresa Louro…foi ela que de Sintra se deslocou a Salvaterra de Magos e espantou os medos, as dúvidas e firmou a certeza que seríamos capazes, com todos os parceiros, desbloqueou o processo e fez-nos avançar, fez-nos sonhar…e como sabemos, quando se sonham o mundo pula e avança!

Foi provavelmente o projecto que mais satisfação me deu concretizar, juntar, arriscar, coordenar, delegar, colaborar, partilhar!

Obrigado a todos e a todas que concretizaram este desígnio de tornar o nosso território as nossas escolas mais protetoras dos riscos e perigos que, infelizmente, vão vivendo, e mais promotoras dos direitos das crianças e jovens.

Há no país 34 Selos Protetores, 3 são na nossa terra, salvo o erro, os únicos do Distrito de Santarém, uma responsabilidade temos de assumir: liderar pelo exemplo, praticar e divulgar as boa práticas, empurrar e puxar os outros para, também, assumirem este compromisso, o tal que foi tão bem definido pelos africanos…”para educar uma criança é preciso toda a aldeia” e que tão bem a Rosário Farmhouse hoje complementou com um…”para proteger uma criança é preciso toda a aldeia!

(este projecto é um processo de construção, nunca está completo e nem os protagonistas se eternizam nele, a quem entra agora…força, bom trabalho e sucesso)

IMG_8320

Águas do Ribatejo

Este projecto, empresa mal amada desde a sua constituição, é exemplo para o mundo de associativismo autárquico, de boas práticas, de investimento e de gestão pública partilhada. Com este milhão e meio já devem ser mais de 15 milhões de investimento, em água e saneamento, no concelho de Salvaterra de Magos.

Desde que a empresa foi constituída por cá investiu a administração central na escola em Salvaterra de Magos uns 15 milhões, a administração local em centros escolares uns 7 milhões, em espaços desportivos uns 3,5 milhões, em espaços culturais um milhão que é tanto como num terreno para ampliar o que ainda não estava (e não está) completo.

De entre os investidores (todos públicos) as Águas do Ribatejo continuam a não merecer a nossa graça, o nosso carinho e respeito…se há coisas que não tem explicação esta é uma delas!

Águas do Ribatejo investe mais de um milhão e meio em Salvaterra

segunda, 15 outubro 2018

A empresa intermunicipal Águas do Ribatejo vai investir mais de um milhão e meio de euros em obras de saneamento em Salvaterra de Magos, dando assim resposta às solicitações daquela câmara municipal, que quer aumentar a população servida por saneamento básico naquele concelho.

Já adjudicada, no valor de mais de meio milhão de euros, e com início de obra prevista para o corrente mês de outubro, está a execução do subsistema de saneamento de Foros de Salvaterra, na rua 28 de março, rua da Restauração, rua Nova, rua dos Pescadores, que serve igualmente a Aldeia do Peixe, no Concelho de Benavente. Esta obra complementa a rede recentemente executada na Travessa da Pedreira, zona desportiva de Foros de Salvaterra e rua 1º de maio.

Numa fase adiantada de candidatura a fundos comunitários está a ampliação da ETAR e da rede de drenagem do subsistema de saneamento de Marinhais, que prevê a execução de cinco quilómetros de esgotos, com estimativa de custo de cerca de um milhão de euros e que permitirão finalmente pôr em funcionamento as redes das ruas das Noras e da Restauração.

Possibilitará ainda, se aprovada, servir troços com maior concentração habitacional nas ruas dos Bonitos, Alberto, Bate-águas, Casal, Eng. Francisco Tavares de Almeida, Galhota, Complexo Desportivo de Marinhais e ainda pequenos troços em falta na rua do Cartaxeiro, Estrada da Serra e rua Combatentes do Ultramar.

(na Rede Regional)

Entretanto:

Águas do Ribatejo é inspiração para o Banco Mundial

sexta, 19 outubro 2018

Uma delegação do Banco Mundial esteve na semana passada em Salvaterra de Magos para se inteirar do modelo de funcionamento da empresa intermunicipal Águas do Ribatejo (AR), que gere o abastecimento de água e saneamento básico em 7 concelhos do distrito de Santarém.

A comitiva, composta por 15 participantes dos governos e entidades reguladoras do setor da água da Albânia, Croácia, Macedónia e Montenegro, inteirou-se da forma de funcionamento da empresa, um modelo que está também a ser aplicado em várias regiões de Portugal e que tem suscitado muito interesse por parte de entidades estrangeiras, que pretendem conhecer o processo de criação e consolidação da empresa intermunicipal.

“É muito bom constatar o interesse do Banco Mundial e das entidades aqui representadas nesta delegação. Desde sempre estivemos abertos para o mundo e todos aprendemos com esta troca de conhecimento e experiencias”, referiu o presidente do Conselho de administração da Águas do Ribatejo, Francisco oliveira, que é também presidente da Câmara de Coruche.

Patricia Lopez, do Banco Mundial, considerou que a AR é um bom exemplo do que os governos locais podem fazer se unirem esforços e desenvolverem uma estratégia com foco na visão, coesão e solidariedade entre os participantes.

A especialista em financiamento de infraestruturas ficou surpreendida com a dimensão dos investimentos realizados no período de 10 anos, cerca de 130 Milhões de Euros com uma “excelente” taxa de execução dos fundos comunitários.

“Foi uma jornada muito interessante porque é uma realidade invulgar e que pode ser aplicada nas regiões de origem dos participantes neste evento”, disse Patricia Lopez.

(aqui)

Leslie

Impressionante o efeito do Leslie, para quem achava que os alertas foram exagerados uma vista de olhos às imagens talvez seja recomendado.

Entrou pelos distritos de Leiria e Coimbra, podia ter sido por Lisboa e Setúbal e a tragédia teria sido com toda a certeza de proporções históricas, um ano depois a zona centro do país foi novamente massacrada pela tragédia, espero que a, feliz, ausência de mortes não corresponda a ausência de solidariedade pública, institucional e informal.

Por cá, onde se chegou a prever a passagem da tempestade, gostei de ver nas redes sociais, as limpezas de telhados, os jantares caseiros e o sossego nas ruas. Exageradas são sempre as tragédias, os avisos e alertas nunca são demais.

fullsizeoutput_1404

(para as vagas de calor e consequências nos incêndios as alterações climáticas são relativizadas porque interessa sempre a cabeça de ministros na bandeja, agora que não se consegue pedir a demissão de um qualquer ministro, podemos então discutir os efeitos do nosso estilo de vida no planeta e as alterações climáticas?)

 

EducTalkes – Inspirar a Educação do Futuro

IMG_7981

Interessante…muito interessante a iniciativa da Câmara Municipal, no âmbito das V Jornadas da Saúde, do Social e da Educação do Concelho de Salvaterra de Magos. O EducTalks – Inspirar a Educação do Futuro foi verdadeiramente uma lição de vida, como “novos projectos”, boas práticas, desconstrução de conceitos, desafios e partilha de ideias.

Com a Joana Ribeiro de Carvalho, o Rui da Rosa, o Jorge Santos, o Carlos Matias, a Andreia Azevedo e o Sabino Soares, tivemos oportunidade de ouvir sobre o “Plano Integrado e Inovador de Combate ao Insucesso Escolas – PIICIELT”, (que eu gostava que não usasse as expressões: bélicas como “combate” e negativas como “insucesso”) “Academia de Inteligência Emocional”, sobre as “Vivências associadas à prática educativa (com uma apresentação da bondade do projeto TVR notável, que nos transmite que algumas das inovações de hoje já são trabalhadas há muito) sobre “A importância das colectividades/associações na promoção do sucesso escolar” (aqui tenho a maior das duvidas nesta definição de sucesso), sobre “A importância da Parentalidade Positiva na promoção do sucesso escolar” e sobre “Os benefícios do Mindfulness na promoção do sucesso escolar”.

Num momento em que temos uma escola do Sec. XIX, professores do Sec. XX e alunos do Sec. XXI estas desconstruções são extremamente úteis, obrigam-nos a pensar fora da caixa e a puxar pela criatividade, o sistema de base está errado e não bastam boas práticas aqui e a ali para promover a realização escolar das crianças e jovens, primeiro à que derrubar o muro e depois construir uma ponte, assente na definição histórica de que “para educar uma criança precisamos de toda a aldeia”

Vemos, ouvimos e lemos. Não podemos ignorar! Com Sofia fica o agradecimento pela iniciativa, pela oportunidade de participar e pela vontade de continuar a aprender com esta gente de experiências maravilhosas que têm de ser integradas, sistematizadas e implementadas em todos os territórios do país.