Pontes & Muros (30 de março)

Dia 11/…

Pontes & Muros (30 de março)

És valente? Cheio ou cheia de ousadia? Para além do céu te cair em cima, não temes nada? Então, fica em casa! Tudo contraria a nossa essência mas esta é a melhor (aliás, a única!) forma de recuperarmos a nossa vida: ficar em casa! O exercício não é simples, respiramos liberdade, consumimos o instantâneo e o mundo costuma ser a nossa morada.

Costumar até costumava… Só que não: a casa é o nosso lar! Talvez seja mesmo a simplicidade do ato heróico pedido que nos leva a resistir. Contra os canhões marchar marchar? Não, não! Contra os canhões ficar em casa, ficar em casa!

Temos uma tarefa simples: sentar em cima de uma mola e puxar a curva para baixo, um exercício que exige, de todas e todos nós, coordenação de forças e articulação de movimentos. Nada mais simples: basta-nos ser disciplinados e cumpridores das orientações das autoridades… Ficando em casa!

Para a semana haverá mais pontes, mais pontes construídas em casa! Quanto às pontes que estão lá fora, fora da nossa casa… Lá continuarão quando todos as pudermos voltar a atravessar, juntos. Por isso, por favor, fique em casa, cuide de si. Cuide de todos!

Ah… Não sei se já vos pedi isto: fiquem em casa!!

#nmapb #estamoson #fiquememcasa #covid19

As legislativas…

É inequívoco que o Partido Socialista teve uma grande vitória eleitoral nestas legislativas, cá pelo Ribatejo ganhou em número de votos (76 836), em numero de mandatos (4), venceu em mais concelhos (18 em 21) em mais freguesias (109 em 141) subimos em toda a linha em relação a 2015 e reforçamos a tendência das eleições autárquicas (2017) e europeias (2019), ou seja…há cada vez mais pessoas a confiar nos projetos políticos e nos protagonistas que o Partido Socialista tem apresentado às gentes do Ribatejo.

A consistência do trabalho desenvolvido durante a legislatura é a grande explicação para estes resultados, confirmados por estudos recentes que indicam que 80% das pessoas chega ao momento de campanha eleitoral com a sua decisão tomada, número que sobe para 93% na semana anterior às eleições. É neste indicador que nos temos de concentrar no futuro próximo…de nada vale golpes de asa de ultima hora, a confiança das pessoas conquista-se dia a dia, semana a semana, mês a mês, ano a ano, durante o mandato. Foi assim com confiança traduzida em votos que vimos confirmada a boa decisão dos Deputados, Autarcas e Dirigentes do PS em manterem semanalmente o contato com o território, com as suas gentes, com as associações, ipss’s e empresas, foram dezenas, centenas de encontros, reuniões e visitas em quatro anos que culminaram com uma campanha que passou pelos vinte e um concelhos da região, por mais de sessenta freguesias e com mais de uma boa dezena de visitas a empresas e associações. Para além das festas populares, das feiras e mercados houve todo um trabalho desenvolvido por militantes, simpatizantes e apoiantes que permitiu contrariar a tendência de queda de todos os partidos, pelo menos dos tradicionais. Será esta a explicação para o crescimento do PS numa região que perdeu eleitores e que para alem disso aumentou a abstenção?

Mas, mesmo sendo nenhum o contributo do Partido Socialista para o aumento da abstenção, ela é um problema complexo que exige de todas e todos um esforço enorme para contrariar esta maldita tendência de alheamento do processo de decisão sobre o nosso futuro individual e colectivo.

Trabalhar durante os quatros anos é essencial, estar próximo das realidades locais é a chave da participação. Formar, informar e comunicar é um desafio permanente, para o qual contamos com a ajuda das redes sociais, que também foram lideradas pelo Partido Socialista, no Facebook, no Instagram e no Twitter entre publicações, partilhas, gostos e comentários atingimos as centenas de milhares de interações com os utilizadores, logo com as pessoas.

Não há soluções simples para problemas complexos, mas tenho a certeza que continuar este trabalho nas redes sociais, reais e virtuais, é essencial para inverter a curva descendente da participação, combinar o trabalho nacional e regional com o local é o que tentaremos fazer nos próximos anos.

Esta é apenas uma leitura sobre os resultados, uma de tantas que vamos ter de ir fazendo, não há conclusões absolutas e muito menos fechadas sobre resultados eleitorais é da integração das diversas visões que evoluímos.

Por fim quero-vos agradecer a enorme bondade de me acompanharem por aqui, ali e acolá…tenho aprendido muito com os vossos contributos!

Respeito!

João Costa bem, muito bem…a limpar a estupidez e a parvoíce trazida para o espaço mediático sobre a proteção de jovens, de uma imensa minoria hoje exposta de forma vergonhosa, nomeadamente pela direita, mas que teve o mérito de nos mostrar onde estão os preconceituosos, miseráveis criaturas que não admitem a diferença…ainda ontem a Filipa Roseta batia no peito a falar de diversidade, tenham vergonha! Respeitem estas crianças, estas famílias, respeitem-se!!

fullsizeoutput_3eb5