Portugal tem Futuro (o meu, pequeno, contributo)

O Espírito do Tempo
O Espírito do Tempo

Um projecto para Portugal, constrói-se de baixo para cima, para os lados, mas também de cima para baixo!

A todos aqueles que perguntam, talvez legitimamente, por propostas do PS para tirar os portugueses dos níveis de miséria que milhões estão a atingir ou já atingiram, deixo um conselho… ler e ouvir com atenção o que é escrito e dito, tem sido muito fácil ao longo dos anos construir uma narrativa, como está na moda dizer, sobre a ausência de propostas,  sobre os caminhos únicos,  as inevitabilidades das políticas, enfim…todo um processo tendencialmente ditatorial, uma miserável tentativa de nos conduzir a um pensamento único!  No último ano e meio, pelo menos, o Partido Socialista, através do seu Secretário Geral, António José Seguro, demonstrou que não há fatalidades, que as coisas são como são apenas porque alguém diz que são!  O caminho foi percorrido,  como mais ou menos dificuldade foi percorrido!

Ao afirmar hoje,  “Sim, precisamos de um novo tratado europeu. A nossa opção é clara: uma Europa federal, onde cada Estado e cada pessoa esteja em pé de igualdade e onde não sejam apenas uns países a determinar aquilo que deve ser a História e o futuro de outros países que estão em dificuldades”, António José Seguro aponta o caminho da Europa, de uma Europa com mais política e menos submissão, ao pedir aos líderes europeus o “fim da ambiguidade”, ao afirmar que somos todos berlinenses, Seguro deixa claro que também somos lisboetas, scalabitanos, albicastrenses, portugueses e europeus!

A resposta à crise dos portugueses, gregos ou espanhóis, o combate aos défices, tem de começar na Europa, sem condicionalismos de mercado, nem de calendário, não são os calendários (nem os mercados) que ditam a política, é a política que dita o calendário e fixa as regras para o mercado.

De cima para baixo o PS propõe mais Europa, mais solidariedade e mais igualdade entre povos, princípios aliais que, também,  permitiram o maior período de paz na história da Europa.

De baixo para cima, o PS está a construir os seus projectos autárquicos,  com base num novo paradigma da gestão autárquica, menos valorização da obra material, maior apostas nas pessoas, dos seus conhecimentos, das suas capacidades, centrando as políticas nas novas respostas sociais que os municípios tem de às suas gentes, e nas soluções para corrigir, erros do passado e a manutenção dos investimentos, bem ou mal, realizados.

Mais tempo para consolidar as contas publicas permite, menos impostos, mais investimento, mais emprego, mais e melhor economia…logo crescimento, mais receitas menos despesas sociais…a formula é semelhante, mas…em vez que criar uma espiral recessiva, gera crescimento…o que faz toda a diferença!!

Este é um caminho de alternativa, e balizado, propostas concretas? Vamos a elas!! Querem começar por onde?

(com uma…duas certezas… não há varinhas mágicas,  nem promessas fáceis)

Nuno Mário Antão

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s